A COMUNIDADE

Quem somos

Me. Abadessa Paula Ramos, OSB
Mosteiro é um lugar que nasceu do desejo de fazer da procura de Deus um projeto comunitário de vida. As pessoas que decidem viver no Mosteiro chamam-se monjas ou monges e seu estilo de vida é chamado de vida monástica.

Nós buscamos unificar a nossa vida e torná-la simples e livre das amarras do ter, do poder e do prazer. Através deste caminho de simplicidade, desejamos alcançar, com toda a consciência, como fim último: a vida plena e eterna, vivida desde agora na harmonia, na reconciliação e na felicidade, que se resume na PAZ em DEUS. Procuramos evangelizar o continente que somos, cada uma de nós, para participarmos da grande obra de construção do Reino de Deus

Você está sendo convidado a conhecer um desses lugares onde um grupo de irmãs busca viver a perene e riquíssima tradição da vida monástica construída sob a orientação da Regra Beneditina, escrita por São Bento para os seus monges, em Monte Cassino. Mais tarde essa Regra se universalizou, passando a ser observada em todo o Ocidente cristão. Os beneditinos estão presentes no Brasil desde 1582, porém o primeiro mosteiro de monjas beneditinas, na América Latina, só foi fundado em São Paulo, em 1911.

Na simplicidade e no despojamento do mosteiro, as beneditinas encontram o ambiente favorável a uma vida de oração intensa, de uma ascese ao mesmo tempo profunda e discreta e de uma caridade fraterna que transborda da vida comunitária para todas as pessoas que ali buscam os vestígios de Deus. 

Na conversão continua aos ensinamentos do Evangelho, vão progressivamente purificando a sua vida e dilatando os espaços de sua caridade para que possam abraçar todas as dores e os sofrimentos de seus irmãos em humanidade e ao mesmo tempo ampliando a sua ternura para com toda a natureza criada, desde as flores aos rochedos, desde os vermezinhos da terra até às paisagens formidáveis que o mar oferece. 

Limitados fisicamente pela clausura monástica, os espaços das monjas abrem-se para toda a extensão da História e para o infinito de Deus que “tudo abarca em seu poder”. 

Todos os que têm sede de infinito e fome de justiça e de amor podem encontrar no Mosteiro algo que lhes fale ao coração e que lhes indique a Fonte de todo o bem e de toda a verdade: Deus.

Nós recebemos de São Bento, através de uma longa tradição, uma REGRA DE VIDA, que chamamos de “Santa Regra” pelo seu venerável valor. Esta, a partir do Evangelho, organiza o Mosteiro particularmente em suas quatro atividades principais: oração, trabalho, estudo e convivência fraterna.

Para nós, existe uma palavra muito importante: PAZ! No Mosteiro tudo é disposto para que as pessoas vivam com uma grande tranqüilidade e uma grande paz. Uma vida na paz pede que haja muito respeito entre as pessoas, muita verdade e justiça nas relações, uma grande capacidade de dar e receber perdão e até mesmo uma cortesia no trato mútuo. A caridade vai progressivamente fazendo das monjas pessoas atenciosas e delicadas para com os outros. Até mesmo para com os objetos, as plantas e a própria terra.Diz a RB: “Todos os móveis e utensílios do mosteiro devem ser tratados como vasos sagrados do altar”; “Que ninguém se perturbe nem se entristeça na casa de Deus.” (Regra de São Bento 31,19)

O estilo de vida monástico é vivido em muitas culturas e em muitas religiões. Há pessoas que, mesmo não tendo uma intenção religiosa, escolhem aspectos deste estilo de vida: artistas plásticas, cientistas, poetas, pesquisadoras. Assim livres, podem realizar melhor as atividades que dão sentido à sua vida.

Ir. Roberta da Mãe
de Deus, OSB
Ir. Andréia da Santíssima
 Trindade, OSB
Ir. Isabel, OSB
.
Ir. Marta Maria, OSB
.

Ir. Teresa Paula, OSB
.














O que fazemos

Nós monjas somos pessoas que buscamos unificar a nossa vida e torná-la simples e livre das amarras do ter, do poder e do prazer. Através deste caminho de simplicidade desejamos alcançar, com toda a consciência, o fim último de nossas vidas: a harmonia, a reconciliação e a felicidade, enfim a VIDA PLENA EM DEUS, que nos é prometida, ou seja, a VIDA ETERNA. Para tanto, temos uma vida organizada segundo os seguintes princípios: ORAÇÃO, TRABALHO, ESTUDO E VIDA COMUNITÁRIA, NA CONVIVÊNCIA FRATERNA.

Oração

Juntamente com a oração pessoal, secreta, nós rezamos em comum de uma forma tradicional no cristianismo, celebrando sete vezes por dia a LITURGIA DAS HORAS.

Trabalho

Com o trabalho mantemos a casa, nosso próprio sustento e a partilha com os pobres. Acolhemos pessoas e grupos para retiros, damos aconselhamento a quem procura e hospedamos as pessoas que desejam participar da vida do mosteiro. Acolhemos os jovens e os pobres, pois “especialmente na pessoa destes Cristo é recebido” (Regra de São Bento 53,13).

Estudo

Na reflexão e no estudo procuramos obter informação e lucidez de julgamento sobre nossa própria vivência, sobre as necessidades da Igreja e sobre os problemas do mundo atual.

Lectio Divina

Nosso grande método de conhecimento , de oração e de experiência de Deus é a “Lectio Divina”, um modo particular de ler a Bíblia. Nela buscamos uma lição de Deus para entendermos sempre melhor a Sua vontade. Aprendemos de Deus os segredos do seu coração e o seu modo de agir misericordioso, e intercedemos pelos projetos e pelas dores de todos os que lutam neste mundo.

Solidariedade

Há muitas coisas que podemos partilhar: o dinheiro, o alimento, a roupa, os espaços físicos, o tempo, o conhecimento e muitas outras coisas. Nós partilhamos os nossos recursos, porém muito mais a nossa vida de oração, de estudo e reflexão e também os espaços externos do Mosteiro. Grupos de jovens e de adultos são acolhidos para encontros, para retiros e também para momentos de lazer.

Com a colaboração e subsídios de amigos do Brasil, da Suíça, da Alemanha ( em especial da Paróquia de Santa Maria de Dreieich), o Mosteiro oferece apoio a um trabalho de Educação Popular, iniciado pela mediação de Me. Abadessa Paula, em Saramandaia, Salvador, Bahia, no tempo em que ali viveu como eremita. Começado este com a criação da Associação de Pais e Mestres da Comunidade de Saramandaia, que assumiu e desenvolveu a “Escolinha da Tia Gisa”, desdobrando-a nas Escolas de Nossa Senhora das Mercês e na Escola São Francisco de Assis. Esta assiste com alimentação e educação a 180 crianças de idade pré-escolar, além de duas classes de reforço escolar. Aos adolescentes, jovens e adultos,a Associação oferece cursos profissionalizantes de serigrafia e informática, realizando ao mesmo tempo com toda a população trabalhos de educação ambiental, esporte, educação para a não violência, campanhas de saúde bucal, de educação política e para a cidadania. Saramandaia, de favela, vai se transformando em um bairro popular com um forte sentido comunitário.

Liturgia das Horas

A Liturgia das Horas santifica o dia e o trabalho humano. Baseada nas orações judaicas e na tradição dos apóstolos, tem no Ofício de Laudes, ao nascer-do-sol, e no de Vésperas, ao pôr-do-sol, seu eixo principal. Desdobra-se durante o dia e a noite, nos momentos denominados Horas ou Ofícios.

Ofício de Vigílias

Nas últimas horas da noite celebramos um ofício longo, iniciado por um invitatório e seguido de hino, salmos, leitura bíblica e leitura patrística, com seus responsórios e uma oração determinada pelo dia litúrgico. 

Ofício de Laudes

Com o nascer do sol celebramos a Ressurreição de Cristo com hinos e salmos. É o louvor da Igreja pela natureza que desperta e pelo mistério de Cristo ressuscitado.

Horas Menores

O costume litúrgico do Oriente e do Ocidente adotou essas Horas que pontuam o dia. Relaciona-as com a Paixão do Senhor e a pregação inicial do Evangelho. São a oração da Igreja em meio ao trabalho. É Cristo clamando no pobre, nos que sofrem e estão oprimidos, nos situados à margem, nos que necessitam de salvação, enfim, é a dimensão da cruz e do mistério pascal.

Ofício de Vésperas

Ao pôr-do-sol louvamos o Senhor por todos os trabalhos realizados e pelos dons recebidos durante o dia. O sol declina, vem a noite, vem o descanso do trabalho. Estes fatos são o ponto de partida para o louvor. Lembramos também nossa própria redenção e elevamos nossas mãos como incenso na presença do Senhor. Para que nossa esperança esteja naquela luz que não tem ocaso ‘oramos e pedimos que a luz venha de novo a nós, rogamos pela vinda gloriosa de Cristo, o qual nos trará a graça da luz eterna.’ Nesta prece agradecemos todo o bem realizado durante este dia, em nós mesmas e em todo o mundo. 

Ofício de Completas

Última oração do dia. Pedimos a proteção de Deus para a noite. Nela realçamos o aspecto escatológico e de entrega da pessoa a Deus. Os salmos que rezamos são tradicionais salmos de confiança, que já constituíam a oração da noite dos israelitas e da Igreja primitiva. Terminamos este Ofício cantando uma antífona dirigida a Maria, a cuja proteção recomendamos nosso sono e nosso repouso. A partir deste momento reina no Mosteiro o grande silêncio, tempo fecundo e envolvente que nos conduz, restauradas e despertas, ao louvor do novo dia.

Vivendo do suor do rosto
e do trabalho das mãos

Com o seu trabalho as monjas mantém a casa e conseguem o que é necessário para viver. E servem também à Igreja e à cidade. No cuidado dos pobres cumprem o dever da solidariedade e fazem também a experiência de Deus pois “especialmente na pessoa destes Cristo é recebido.” (Regra de São Bento 53,15).
A oração, o trabalho e o estudo estabelecem o ritmo saudável da vida no Mosteiro. Não são atividades que apenas se alternam mas entrelaçam-se numa unidade que pode ser perfeita, na medida de cada uma. Todas as tarefas têm o mesmo objetivo: fazer crescer o Reino de Deus.

Vejamos as nossas oficinas de trabalho:

Cozinha - onde procuramos de fato, exercer a Arte Culinária, como expressão da caridade fraterna servindo também com Beleza, como forma de contemplação.

Horta, pomar e jardim - Na atividade com a terra buscamos nossa manutenção e organizar nossa propriedade como um lugar propício à contemplação e aprazível, na linha da beleza de nossa cidade de Santa Cruz.

Restauração de imagens - onde as irmãs encarregadas procuram restabelecer a integridade e a dignidade das imagens utilizadas no culto e na devoção das pessoas.

Fabricação de velas - onde são confeccionados e decorados círios pascais e velas ornamentais.

Confecção de tricô e crochê - com variedade de trabalhos artesanais, cartões e mensagens de bom conteúdo espiritual e artístico, na medida do possível.

Costura e bordado - onde se fazem vestes litúrgicas e roupas para nossa casa.

Loja - onde comercializamos os produtos de nosso trabalho, além de medalhas de São Bento, terços e outros objetos religiosos.

Apicultura -






Horários do Mosteiro



Nos dias comuns, celebramos a Eucaristia às 7 horas.
Às 2ªs feiras, a celebração se dá às 17h30min.
Aos domingos porém, com a afluência do povo, celebramos às 9h30min.

Um comentário:

  1. lindo trabalho parabens muito obrigada a todas as pessoas envolvidas

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...